A2DI, uma rede franco-brasileira

cropped-109562781_f3c963ba0e_z.jpg

A rede de pesquisa franco-brasileiro em análise do discurso digital, A2DI, nasceu da colaboração de pesquisadoras que trabalham em Análise de discurso, Cris Dias, da Universidade Estadual de Campinas e Marie-Anne Paveau, da Université Paris 13 SPC, acompanhadas de Flávia Machado, da Université de Poitiers. A sigla escolhida, A2DI, corresponde à Analyse du Discours DIgital em francê e Análise do Discurso DIgital em português. A palavra digital foi escolhida porque em português não há a dupla possibilidade de uso no francês digital/numérique (e as fastidiosas discussões lexicológicas que se seguem), uma vez em que utilizamos digital para designar os trabalhos sobre o « numérique », como ocorre em inglês. Sendo o grupo bilateral, a designação dos trabalhos será também: uma análise do discurso digital em francês, para significar a analyse du discours numérique (ADN) que já está instaurada no domínio francófano. Na prática, os franceses/francófonos utilizarão numérique, digital, e neste caso numérique/digital; os brasileiros/lusófonos utilizarão digital.

Esta rede tem como objetivo dar conta da dimensão digital/numérica dos discursos nativos da internet, ou seja, produzidos online. Trata-se massivamente de discursos produzidos pela e na dita web 2.0, a web social, a web das redes sociais digitais, mas igualmente os discursos produzidos anteriormente em fóruns ou outros lugares discursivos, e também os discursos/dados que constituem o que começamos a chamar de web 3.0.

Uma análise do discurso numérico/digital nos parece necessária para tratar de discursos nativos da web/internet, que não são iguais aos discursos offline. Na verdade, tanto as dimensões internalistas (a linguística da língua) quanto as contextualistas (as linguísticas TDI, texto, discurso, interação) possuem a tendência de analisar discursos online com ferramentas produzidas por discursos offline, ou a partir de documentos inscritos em tela não conectados (computadores, telefones). Na maior parte dos trabalhos publicados sobre o assunto, a dimensão linguageira desses discursos permanece intocável, as categorias mobilizadas (fonológicas, fonéticas, morfológicas, lexicais, sintáticas, textuais, discursivas, interacionais…) permanecem aquelas da linguística corrente. A dimensão offline é considerada como um suporte, um meio, um contexto, que influencia ou modifica os enunciados. Na perspectiva defendida pela rede AD2I, as formas do discurso online, endêmicas do universo discursivo digital são compostas, constituídas de uma matérias que não é puramente linguageira, mas também tecnológica. Esta implica em modificar a definição das unidades linguageiras habitualmente mobilizadas pela linguística em seus diferentes componentes.

Os projetos da rede A2DI são desenvolvidos levando-se em consideração a profundidade histórica e epistemolõgica necessária para o estudos dos discursos digitais. Eles colocam em evidência as filiações e evoluções da análise do discurso digital em relação à CMO (Comunicação mediada por computador) na França , ligada à CMC anglófona (Computer-Mediated Communication), aos estudos sobre o hypertexte,  eminentes também de pesquisadores da literatura , da educação e das Ciências da Informação e Comunicação, e outros trabalhos sobre o objeto do discurso numérico/digital.

A rede A2DI integra um projeto de bibliografia colaborativa coordenado por Flávia Machado, já presente neste blog . Trata-se de uma bibliografia aberta ao público, que visa contribuir ao livre acesso de trabalhos feitos pelos/para pesquisadore.a.s interessado.a.s pela questão do discurso digital.

Cris Dias e Marie-Anne Paveau

Texto original de Marie-Anne Paveau
Tradução de Flávia Machado

Vous aimerez aussi...

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *