Memória discursiva, do metal à memória : a perspectiva da AD francesa no Brasil, por Flávia Machado

por Flávia Machado

Este texto tem como objetivo uma breve discussão sobre a memória metálica. Trata-se de uma noção que fez um percurso teórico inverso, atravessando o Atlântico à partir do Brasil em direção à França. Após 30 anos da presença da Análise do Discurso francesa no Brasil – introduzida e intensivamente desenvolvida por Eni Orlandi a partir da obra de Michel Pechêux – , os estudos em Análise do Discurso Digital propõem uma reflexão do conceito de memória metálica, primeiramente citada por Orlandi.

Paralelamente às produções acadêmicas de linhas como a LT e a teoria bakhtiniana, a partir de meados dos anos 2000, observamos o surgimento de pesquisas em AD de linha francesa a respeito das discursividades digitais, trabalhos que eu vim a conhecer tardiamente, no congresso Internacional da ALFAL em 2011, na Espanha.

Destaco o trabalho da pesquisadora Cristiane Dias da Universidade Estadual de Campinas como um dos expoentes da análise do discurso digital no Brasil e passo então a trazer elementos sobre a sua produção acadêmica. Em 2004, Dias conclui sua tese de doutorado que posteriormente se tornaria livro, intitulada “A discursividade da rede (de sentidos): a sala de bate-papo HIV”, sob a orientação de Eni Orlandi, introdutora e principal propagadora da Análise do Discurso de linha francesa no Brasil. Em sua tese, Dias indaga-se sobre os processos de subjetivação na Era da Informação, examinando especificamente como os laços sociais são formados na discursividade eletrônica das salas de bate-papo de HIV, dando visibilidade ao modo de produção material na vida que emerge no ciberespaço. Interessada sobre os efeitos de reorganização do corpo no ciberespaço, evocando a noção de memória discursiva.

Em relação à produção de sentido para o corpo soropositivo brasileiro na internet, a memória discursiva em funcionamento em nossa sociedade é aquela do corpo projetado pela mídia de massa, considerada uma instancia de poder. Para tanto, Dias recupera a imagem do corpo magro e doente do cantor Cazuza, falecido em consequência da AIDS na década de 1980. Ao mostrar os efeitos do sentido do corpo real no modo de constituição desse sujeito nas salas de bate-papo, a pesquisadora busca a manifestação do imaginário do corpo não saudável.

A autora propõe compreender o virtual em uma nova discursividade. Aponta para a relação entre o atual e o real. Ela utiliza a noção de acontecimento de Pechêux (1990), como “ponto de encontro entre uma atualidade e uma memória”.

A construção de sentido advém, pois, desse jogo entre a memória e a atualidade. Atualidade de um já-dito que, virtualizado, é ressignificado pelo seu retorno ao atual que se constitui na instancia do dizer como um elemento de diferenciação. (2004, p.116)

 Em outro momento, Dias também aborda as novas formas de textualidade oriundas da produção escrita na Internet a partir da relação entre cartas e e-mail, traçando uma relação com a noção de memória. A autora reforça novamente a ideia de que uma nova discursividade produz efeitos  quando é remetida a uma memória já-dada (produzida pelo surgimento do e-mail, em detrimento da carta tradicional).  A autora afirma que:

a representação de uma determinada tecnologia de linguagem e escrita não se constroi a partir do instrumento por si só, mas desse instrumento que é sócio-histórico  ideologicamente construído em seu funcionamento discursivo, em sua memória discursiva. (2008, p.35).

A noção de memória discursiva utilizada por Dias é baseada nas propostas de Pêcheux e Eni Orlandi. Para o primeiro teórico, todo discurso se constitui a partir de uma memória e do esquecimento dos outros discursos. A memória discursiva é um saber que possibilita a criação de sentido, que corresponde a algo que já foi dito anteriormente, e que continua a ordenar nossos discursos.

Eni Orlandi (1996), por sua vez, na esteira da reflexão de Pêcheux, enumera três noções de memória: a memória discursiva, a memória institucional e a memória metálica, conceito que nos interessa fortemente.  O surgimento epistemológico do conceito memória metálica não equivale, em um primeiro momento, ao conceito de memória digital.

De acordo com Orlandi, a memória metálica é a memória produzida pela mídia, pelas novas tecnologias de linguagem. Caracteriza-se por ser horizontal, não se produz pela historicidade, mas por um constructo técnico (televisão, rádio, computador, entre outros). Segundo Orlandi, que faz uma afirmação passível de discussão, não há filiação de sentidos, apenas estratificação, repetição.  A memória metálica seria, portanto, livre de esquecimento. De acordo com as próprias palavras de Eni, a memória metálica :

 é a produzida pela mídia, pelas novas tecnologias de linguagem. A memória da máquina, da circulação, que não se produz pela historicidade, mas por um construto técnico (televisão, computador, etc.). Sua particularidade é ser horizontal (e não vertical, como a define Courtine), não havendo assim estratificação em seu processo, mas distribuição em série, na forma de adição, acúmulo: o que foi dito aqui e ali e mais além vai se juntando como se formasse uma rede de filiação e não apenas uma soma, como realmente é, em sua estrutura e funcionamento. Este é um efeito – uma simulação – produzido pela memória metálica, memória técnica. Quantidade e não historicidade. Produtividade na repetição, variedade sem ruptura. E o mito, justamente, desta forma de memória é o “quanto mais, melhor”. (ORLANDI , 2010, p. 9).

 Enquanto a memória discursiva faz parte de um processo histórico resultante de uma disputa de interpretações para acontecimentos do presente ou do passado, a memória metálica surge como o contraponto à memória histórica. Para Eni, a mídia se apropriaria da memória metálica, promovendo homogeneização dos efeitos de memória. A noção de memória metálica obteve repercussão na análise de outros autores, como por exemplo, Mendonça (2004):

 a mídia seria o lugar de interpretação, mas de uma interpretação que seria o tempo todo imobilizada pelas estratégias discursivas. Enquanto a memória histórica seria sujeita à falha, a metálica só produziria o mesmo. Assim, o gesto de interpretação proposto e imposto na reconstrução de memoria, exercida pelo jornalismo, não seria uma ressignificação, porque impediria os deslocamentos de sentido e negociação coletiva. Transformaria-se, isso sim, em estabilização de sentidos e eliminação das diferenças.

 A formulação de Eni sobre a memória metálica não foi criada a partir da observação de um corpus discursivo nativo digital, mas o deslocamento dessa noção para o campo da análise do discurso digital tornou-se inevitável. Em 2006, por exemplo, Michele Schmidt desenvolve sua dissertação de mestrado, problematizando a questão da memória:

 (…) torna-se necessário pensarmos, no contexto das novas tecnologias, na nova relação que se estabelece entre os sujeitos e a memória histórica, pois esta relação implica uma outra memória – a memória metálica. A partir dessas reflexões, uma das questões que permanece é a de como entender um sujeito histórico assujeitado a uma memória ahistórica. (…) É sobre a relação da memória histórica, a qual possui uma relação de imanência com os sujeitos, com a memória metálica, à qual estes sujeitos, atualmente, também tem se assujeitado, que nos tem sido postas diversas questões.

 Tal noção de memória metálica, elaborada em plena web 1.0, não é recuperada tal e qual propõe Orlandi na análise de Dias. Ao nosso ver, trata-se de um conceito que merece mais reflexão e refinamento, sobretudo no que tange ao quesito da historicidade. Marie-Anne Paveau, por exemplo, trabalha com a perspectiva do tecnodiscurso e da memória digital, em que a construção do sentido dá-se a partir de uma verticalidade. A hipertextualidade e os efeitos da tecnologia sobre o discurso faz com que a memória seja evidenciada e não apagada, aspecto que trava uma oposição à memória metálica de Orlandi. De qualquer maneira, é inegável admitir que Orlandi laça luz à questão da memória e nos instiga e desenvolver uma nova epistemologia do discurso digital.

DIAS, C. P. Sujeito, sociedade e tecnologia: a discursividade da rede (de sentidos). São Paulo: Hucitec Editora, 2012, 210p.

DIAS, C. P. Memória & escrita: o atravessamento de sentido das cartas no e-mail. In: Letras, v.18, n. 2. Santa Maria: 2008, p. 35-49.

DIAS, C. P. A discursividade da rede (de sentidos): a sala de bate-papo HIV. 2004. 0 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas. Orientador: Eni de Lourdes Puccinelli Orlandi.

DIAS, C. P. Um percurso teórico-analítico: “alg afim de tc?” como materialidade do gesto afetivo na sala de bate papo hiv. In: Letras, n. 21. Santa Maria: 2000, p.21-24.

ORLANDI, E. P. A linguagem e seu funcionamento: As formas do discurso. 4a edição. Campinas, SP: Pontes, 2001.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 5a edição Campinas, SP: Pontes, 2003.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6a edição Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2007.


Vous aimerez aussi...

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *